Avançar para o conteúdo principal

3 Motivos para Treinar Acompanhado

Há vários séculos atrás, Aristóteles afirmou que “o homem é por natureza um animal social” e atualmente temos evidências suficientes para acreditar que a socialização ou o convívio entre seres humanos é algo natural, desejável e até vantajoso para a nossa espécie.

Muitas pessoas ainda não se deram conta disso, mas a simples presença de outras pessoas é o suficiente para influenciar os nossos comportamentos.

Apenas como exemplo, temos tendência a comer menos quando estamos na companhia de um desconhecido e comemos mais quando estamos na presença de um amigo namorada/o ou familiar (1).

Noutro exemplo, a simples participação em grupos de suporte, nos quais as pessoas expõem os seus problemas e convivem com outras pessoas que sofrem da mesma condição, sejam eles vícios, problemas de saúde ou outros tipos de problemas, pode proporcionar melhorias consideráveis.

Os grupos de suporte parecem ser eficazes sobretudo no alívio de problemas como o alcoolismo (2), a depressão (3) e os efeitos psicológicos negativos associados a várias doenças, como o cancro da mama (4).

Acontece também que, alguns estudos chegaram à interessante conclusão de que o livre acesso às redes sociais no local de trabalho pode aumentar a produtividade dos trabalhadores de algumas áreas (5).

Outros estudos verificaram também que o trabalho em equipa pode aumentar a produtividade, sobretudo quando é necessário resolver problemas complexos (6).

Da mesma forma, também é possível obter melhores resultados no ginásio quando treinamos acompanhados e neste artigo iremos ver como.

Melhore Resultados com um Personal Trainer

As pessoas que treinam com o acompanhamento de um personal trainer têm tendência a afirmar que obtêm resultados mais rápidos e mais expressivos do que quando treinam sozinhas.

Na verdade, vários estudos parecem confirmar a noção de que a presença e o estímulo proporcionados pelos personal trainers realmente se traduz em melhores resultados, nomeadamente ao nível de aumento da massa muscular magra.

Por exemplo, um estudo publicado em 2014 verificou que, em comparação com um grupo que treinou sem acompanhamento, no final de 12 semanas de treino (3 x semana), os membros de um club de fitness que treinaram sob a supervisão de um personal trainer bem qualificado obtiveram maiores ganhos de massa muscular (1,3 vs. 0 kg) e também ganhos mais expressivos da força (42 vs. 19%), da potência (6 vs. 0.6%) e da capacidade aeróbica (7 vs. -0.3%) (7).

Vários outros estudos encontraram resultados similares e, de uma forma geral, parecem sugerir que o acompanhamento por um bom profissional da área do fitness pode realmente traduzir-se na obtenção de progressos bem mais notórios ao longo do tempo (8, 9).

Como é óbvio, para obter os melhores resultados, você deveria procurar um personal trainer licenciado em educação física e que, para além disso, também tenha alguma formação extra e/ou experiência em treinos de musculação.

Caso você não tenha condições económicas ou forma de contratar um personal trainer, poderá ainda assim obter resultados similares treinando com um parceiro de treino que também tenha os mesmos objetivos que você.

Em todo o caso, o ideal será ter objetivos e um plano de treino previamente estipulados antes de cada treino, bem como um plano alimentar e um programa periodizado para seguir a médio-longo prazo.

Treinos menos dolorosos

Outro estudo bastante interessante e que foi realizado há relativamente pouco tempo veio revelar que os treinos realizados com parceiro/s podem aumentar o limite de tolerância à dor em comparação com os treinos individuais.

Após a realização desta experiência, na qual participaram 12 remadores, investigadores da Universidade de Oxford chegaram à conclusão de que os treinos físicos intensos são menos dolorosos quando realizados em grupo (10).

Isto é algo que, muito provavelmente, muitos dos leitores também já puderam constatar por experiência própria.

Os investigadores suspeitam que os treinos, quando realizados em grupo, proporcionam uma maior produção de endorfinas do que os treinos individuais.

Em outro estudo diferente, verificou-se que a participação em atividades sociais como rir juntamente com outras pessoas, aumenta a produção de endorfinas e aumenta o limiar da dor. Por isso, é bem possível que se possa obter os mesmos benefícios a partir dos treinos realizados com um ou vários parceiros de treino (11).

Melhor adesão aos programas de treino

A literatura científica atual sugere que o ambiente social e o suporte promovido por um personal trainer, companheiro/a de treino, colegas de ginásio e/ou grupos de indivíduos que praticam as mesmas atividades desportivas, melhora a adesão aos programas de treino (12, 13, 14).

Isto significa que você irá sentir-se mais motivado a atingir os seus objetivos e irá ter uma menor propensão a abandonar os treinos, sejam eles de que tipo for, o que é fundamental para se obter resultados ao longo do tempo.
Conclusão

Como pode ver, o aspeto social é um fator que pode ter uma grande influência nos resultados que as pessoas podem obter no ginásio e muitas pessoas já verificaram que têm uma melhor performance nos treinos e resultados mais rápidos quando treinam na companhia de indivíduos motivados.

Aqui, tal como acontece em quase todas áreas da vida, o mais importante parece ser escolher as pessoas certas para a/o acompanhar na busca dos seus objetivos.

Assim sendo, tente sempre encontrar profissionais bem qualificados, com bastante experiência e boas referências, ou então, um companheiro de treino que esteja realmente decidido a atingir os seus objetivos.

Ter o apoio de um grupo, mesmo que seja um grupo virtual, como aqueles que existem nas redes sociais, também poderá ser uma opção válida, sobretudo para aqueles que treinam sozinhos e não têm possibilidades de frequentar um ginásio

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame