Avançar para o conteúdo principal

Bioimpedância vs Lipocalibrador - Qual o Melhor Método para Determinar a % de Massa Gorda?

Desde há várias décadas que tem vindo a ser desenvolvida uma grande variedade de métodos que permitem estimar a % de massa gorda, com maior ou menor grau de precisão.

Apenas como exemplo, temos a absorciometria de raios-x de dupla energia (DEXA), a ressonância magnética nuclear, o pletismógrafo de deslocamento de ar (BOD POD), a hidrodensitometria, a ultrassonografia, a digitalização fotónica tridimensional, a bioimpedância, e também a antropometria, na qual se avalia a espessura das pregas cutâneas com recurso a um lipocalibrador.

No entanto, no mundo real, a maioria destes equipamentos apenas se encontram em centros de investigação, hospitais ou outros locais de acesso restrito. O seu uso também requer técnicos especializados e tendem a ser dispendiosos, pesados e a requerer bastante espaço físico.

Poucos de nós irão ter acesso aos métodos de avaliação da composição corporal considerados métodos de referência (gold standard), e se quisermos saber qual é a nossa % de massa gorda teremos que optar por um método mais acessível, móvel e económico.

Neste contexto, existem dois métodos que se encontram bem disseminados, a bioimpedância e a antropometria.

Bioimpedância

Este tipo de equipamento usa elétrodos ou contatos de metais para enviar uma corrente elétrica de baixa voltagem ao longo do corpo.

A composição corporal é estimada com base na resistência que o corpo gera a essa corrente. Mais precisamente, a massa isenta de gordura tem um teor de água mais elevado e por isso irá gerar menos resistência do que a massa gorda, que contém menos água.

Vantagens:

  • Trata-se de um método relativamente económico, rápido e prático.
  • A sua aplicação não requer um elevado grau de especialização técnica.
  • É muito pouco invasivo e apenas requer um envolvimento mínimo do sujeito a ser avaliado.

Limitações:

Apesar da aparente sofisticação, o facto de os resultados dependerem do teor de água e de eletrólitos do organismo, representa o principal fator responsável pelo seu nível de precisão insuficiente, e torna-o inadequado para reavaliações e acompanhamento de sujeitos.

De facto, o estado de hidratação e o equilíbrio de eletrólitos são inevitavelmente afetados pela ingestão de fluídos e alimentos, pela prática de exercício físico, pelo ciclo menstrual, por certos medicamentos, e ainda por algumas condições médicas específicas.

Os resultados podem também ser influenciados pela temperatura ambiente, sendo que o frio aumenta a impedância, e ainda por um conjunto de outras variáveis.

Antropometria (lipocalibrador):

Este método envolve a medição da espessura da dobra cutânea com um equipamento similar a um paquímetro (lipocalibrador). As medições são efetuadas em vários locais, de modo a se obter uma medição geral da adiposidade subcutânea.

Dentre as várias metodologias criadas até à data, destaca-se a norma ISAK, a qual prevê a medição de 8 pregas cutâneas.

Os valores obtidos podem ser inseridos numa equação, que irá retornar o valor de % de massa gorda. Em alternativa, é possível usar o somatório de todos os valores obtidos.

De notar que, até à data, já foram desenvolvidas mais de 100 equações para estimar % de massa gorda, a partir das medições das pregas cutâneas, o que pode causar confusão relativamente à equação mais adequada a aplicar numa determinada população.

Vantagens:

  • O custo desta avaliação é relativamente baixo, pois apenas requer um lipocalibrador e uma fita métrica.
  • Os valores são confiáveis quando recolhidos por técnicos experientes.
  • É o método menos afetado pelo estado de hidratação e pela ingestão de refeições.

Limitações:

  • É um método mais demorado e intrusivo do que a bioimpedância e requer maior manipulação do sujeito a ser avaliado.
  • Requer um grau significativo de especialização e experiência por parte do avaliador.
  • A reavaliação de uma prega cutânea em apenas 1 cm de diferença do local anteriormente medido pode afetar os resultados de forma significativa. Também por esse motivo, as reavaliações devem ser efetuadas sempre pelo mesmo técnico.
  • As avaliações não devem ser conduzidas após a prática de exercício físico devido ao aumento do fluxo sanguíneo na pele (hiperemia), que aumenta a espessura das pregas.
  • A sua aplicação não é possível em populações extremas, inclusive em indivíduos obesos.
  • As equações são específicas para determinadas populações e necessitam de ser validadas para a amostra em questão.

Comentários finais

Tendo em conta a literatura científica existente, a avaliação antropométrica representa um método mais preciso e confiável de avaliação da percentagem de gordura corporal do que os equipamentos de bioimpedância.

Também de acordo com um parecer publicado pelo Comité Olímpico Internacional (I.O.C.) em 2012:

A antropometria é um método simples e altamente portátil para estimar a composição corporal. Desde que o técnico que efetua a avaliação esteja bem treinado e siga um protocolo padrão.

Também referem que:

Claramente, a bioimpedância não é um método suportado para avaliar ou monitorizar a composição corporal. Este não é um método preciso, pois pode retornar valores que se desviam de forma significativamente comparativamente ao valor obtido com um método de referência.

➤ Mostrar/Ocultar Referências!
  1. Jensen NS, Camargo TF, Bergamaschi DP. Comparison of methods to measure body fat in 7-to-10-year-old children: a systematic review. Public Health. 2016;133:3-13.
  2. Kasper AM, Langan-Evans C, Hudson JF, et al. Come Back Skinfolds, All Is Forgiven: A Narrative Review of the Efficacy of Common Body Composition Methods in Applied Sports Practice. Nutrients. 2021;13(4):1075.
  3. Araújo D, Teixeira VH, Carvalho P, Amaral TF. Exercise induced dehydration status and skinfold compressibility in athletes: an intervention study. Asia Pac J Clin Nutr. 2018;27(1):189-194.
  4. Ackland TR, Lohman TG, Sundgot-Borgen J, et al. Current status of body composition assessment in sport: review and position statement on behalf of the ad hoc research working group on body composition health and performance, under the auspices of the I.O.C. Medical Commission. Sports Med. 2012;42(3):227-249.
  5. Ugras S. Evaluating of altered hydration status on effectiveness of body composition analysis using bioelectric impedance analysis. Libyan J Med. 2020;15(1):1741904-1741904.
  6. Pateyjohns IR, Brinkworth GD, Buckley JD, Noakes M, Clifton PM. Comparison of three bioelectrical impedance methods with DXA in overweight and obese men. Obesity (Silver Spring). 2006;14(11):2064-2070.
  7. Moon JR. Body composition in athletes and sports nutrition: an examination of the bioimpedance analysis technique. Eur J Clin Nutr. 2013;67 Suppl 1:S54-59.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quanta proteína é possível absorver por refeição?

Dentre a série de tópicos relativamente controversos englobados no mundo da nutrição temos a questão da quantidade de proteína que o corpo humano consegue absorver no seguimento de uma dada refeição. Relacionado com a mesma temática, temos a questão da definição da quantidade de proteína que idealmente se deve ingerir após a execução de um treino resistido, com vista a maximizar a síntese de proteína muscular. Estudos publicados até há poucos anos concluíram que a ingestão de 20 a 25 g de proteína de boa qualidade (whey, proteína do leite, ou proteína de ovo) após um treino de musculação direcionado à musculatura dos membros inferiores seria o suficiente para maximizar a síntese de proteína muscular em adultos jovens e saudáveis, sendo que em doses superiores os aminoácidos “excedentários” seriam simplesmente oxidados. 1,2   Entretanto, em 2016, os autores Macnaughton et al. 3 verificaram que a suplementação com 40 g de proteína whey após uma sessão de treino de musculação de corpo i

É Melhor Perder Peso de Forma Rápida ou Lenta?

A perda de gordura pode proporcionar vários benefícios para a saúde daqueles que têm excesso de peso. ¹⁻² e é uma necessidade imperativa para atletas de determinados desportos e para aqueles que participam em competições de culturismo e similares.³ No entanto, independentemente do ritmo a que se perde peso, há uma série de consequências negativas que são praticamente impossíveis de evitar. Esses efeitos indesejáveis incluem a diminuição da taxa metabólica basal em repouso,⁴ dos níveis de testosterona,⁵ perda de massa magra,⁶ e diminuição da força muscular.⁷⁻⁸ De forma a minimizar esses efeitos negativos, são muitos aqueles que evitam as dietas mais drásticas, do tipo yo-yo e que, em vez disso, aconselham uma perda de peso lenta, por exemplo, de 0,5 kg de peso corporal, por semana.³ O que diz a ciência? Já foram conduzidos variados estudos que procuraram determinar qual a velocidade de perda de peso que melhor preserva a taxa metabólica, a massa magra, bem como os níveis de testosterona

Qual é a Quantidade de Proteína Ideal para Maximizar a Força e a Massa Muscular?

Tipicamente, os praticantes de musculação almejam obter um físico que, para além de exibir uma percentagem de gordura corporal relativamente baixa, apresente uma musculatura visivelmente desenvolvida, frequentemente ao maior nível possível. Para além destes, e sobretudo com vista a maximizar o seu rendimento, os atletas de desportos de força, assim como os praticantes de outras modalidades desportivas também se interessam particularmente por esta temática.  Neste contexto, os nutricionistas que de algum modo trabalham com estes indivíduos, devem ser capazes de os aconselhar relativamente à quantidade de proteína ideal para maximizar os ganhos de força e de massa muscular, naqueles que executam treino resistido. Será necessária uma dose de proteína superior à recomendada pela EFSA - Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (0,83 g/kg peso)¹ para maximizar os ganhos de força e a hipertrofia muscular em adultos jovens?  Este tópico tem vindo a ser investigado de forma relativame